quinta-feira, junho 22, 2006

Literatura

Hell’s Hound

Howling in the depths of the underworld
A condemned guardian in the mournful cold…
Six huge, bright, sharp eyes standing before Hades
Say: only dead spirits may cross these gates.

Vampire’s long teeth, lion’s claws, serpent’s tail,
Could this splendid package ever be frail?
Three monstrous heads and only a body!
Who can I shed shame upon? Or blame? Thee,

Fierce, vicious monsters who gave me life?
No, not fair would be since I love you thrice.
I fell asleep with Orpheus’s splendid lyre…
Those magical songs I deeply admire

Will always haunt me in my darkest dreams:
They send away the spirits’ awful screams.
If I feel melody as pure as gold,
Why can’t I bear three hearts, three souls?

Oh! Pain also falls upon this grim beast.
Did thou know not? In me, grief does exist.
I was subdued by a strength never known greater
And so was able to end his twelfth labour.

And till my obscure master orders me
Another world, a time I did not see
A bitter surface I have never met…
I’ll live eternity’s gloomy sunset.

Letras do Pensamento

"É o homem que faz a história, sem saber que história vai fazendo..."
Tenho lido alguns dos artigos que, de vez em quando, os meus olhos perpassam ao ler o JN, reaprando na escrita característica deste autor que considero um dos melhores colunistas da imprensa nacional da actualidade. Mas, a bem da honestidade intelectual e da decência crítica, questiono-me sobre a prematuridade deste apontamento, não lhe retirando a pertinência que, eventualmente, venha a subsistir-lhe! Porque " A principal objectividade a que podemos aceder, quando tratamos de coisas políticas, é a de assumirmos, sem disfarce, as limitações de perspectiva das concepções do mundo e da vida dos nossos tribalismos político-culturais. Porque estes, quando são enraízados numa história pessoal de convicções, geram sempre as limitadoras algemas de uma certa genealogia de subsolos filosóficos, bem como os inevitáveis compromissos das velhas lutas e dos profundos companheirismos que lhes dão identidade.
Sobre a matéria, apenas recordo a minha académica cumplicidade com Luis Viana de Sá, destacado dirigente do PCP e doutor pelo ISCSP, ... .
(...) Se tive a honra de ser o seu formal orientador das dissertações de mestrado e doutoramento, confesso que acabei por viver o desafio de ambos sermos discípulos das mesmas angústias e das mesmas procuras. Contudo, observando a sua aventura universitária, foi-me dado reparar na estreiteza mental desse Portugalório dos que não conseguem ultrapassar uma restrita visão partidocrática do processo político nem superar o paroquialismo das pequenas guerrazinhas de homenzinhos com o seu tribalismo. (...)" (1)
No entanto, o episódio em causa não é um fenómeno sócio-historicamente novo, antes se inscreve numa realidade de certas vivências políticas próprias de muitos tribalismos ideológico-partidários ainda muito remanescentes neste Portugal de muitos pequeninos. E não creio, pelo que já tenho lido do autor do artigo que segue, tratar-se de alguém com tamanha estreiteza de limitações. Até porque quem exorta os valores sociais como aqueles que aqui foram evocados, deve compreender que, muito acima daqueles pretensos visados, está o valor da comunidade e do autor que a soube tão poeticamente sublimar.
"Uma cidade sem memória?
Eugénio de Andrade morreu há um ano. Desde sempre os homens comemoram certas datas em busca de raízes e sinais de identidade. "Co-memorar" significa recordar em comum, e a palavra, contendo a ideia de comunidade, contém ainda um sentido fundamental que as comunidades se fundam numa "memória", ou seja, numa "cultura". "Time future (is) contained in time past", escreve Eliot; e não era preciso convocar Eliot, tão óbvio é que não há futuro sem passado, e que, parafraseando Pessoa, o presente é o "futuro do passado". A "co-memoração" do primeiro aniversário da morte de Eugénio, que fez do Porto a "sua" cidade, que viveu e morreu no Porto, que sobre o Porto escreveu páginas admiráveis e ao Porto dedicou uma obra determinante, "Daqui houve nome Portugal", esteve no entanto a cargo da Fundação Eugénio de Andrade e da… Câmara de Matosinhos. O processo de desertificação cultural empreendido pela actual Câmara do Porto atinge não só o presente mas também o passado, isto é, o futuro. Matosinhos já deu o nome de Eugénio de Andrade a uma Alameda, o Porto nem a um beco sem saída! Não me admirava se ninguém da actual maioria camarária do Porto soubesse quem é Eugénio de Andrade. Mas também não lhes vou explicar. Que procurem no Google!"
in Jornal de Notícias, edição de 22 de Junho de 2006, última página
(1) Extracto de "A objectividade não exclui os compromissos", MALTEZ, J. A. E., Tradição e Revolução - Uma Biografia do Portugal Político do séc. XIX ao XXI, Vol. I, Tribuna da História, Lisboa, 2005, pp. 131-134.

Fiat Lux (Do Observatório Social)

Dois apontamentos de 'Opinião' num só "abraço" a este estado a que chegámos!

É preciso legislar as reformas anunciadas na Função Pública
Bruxelas vai continuar a «acompanhar atentamente» a situação orçamental portuguesa
O comissário do euro, Joaquin Almunia, elogiou hoje os esforços que estão a ser desenvolvidos pelo Governo português para sanear as finanças públicas, considerando que as medidas que estão a ser tomadas são as "adequadas".
O comissário do euro, Joaquin Almunia, elogiou hoje os esforços que estão a ser desenvolvidos pelo Governo português para sanear as finanças públicas, considerando que as medidas que estão a ser tomadas são as "adequadas".
Mas – precisou – persistem riscos significativos: é preciso manter o rigor, este ano e nos anos seguintes, e traduzir rapidamente em legislação muitas das reformas anunciadas, designadamente na Função Pública, pelo que Bruxelas vai continuar a acompanhar «atentamente» a situação orçamental portuguesa.
«Portugal adoptou, desde meados de 2005, um extenso e corajoso pacote de medidas destinado a reduzir o défice excessivo, mas subsistem ainda incertezas e riscos significativos, especialmente devido ao facto de algumas medidas importantes ainda terem de ser aplicadas», afirmou o comissário.
Numa declaração escrita, que acompanha o relatório divulgado esta manhã em que Bruxelas avalia as medidas de correcção adoptadas pelo Governo, Almunia sublinha que «é necessário intensificar os esforços de consolidação, particularmente no que diz respeito às despesas, a fim de permitir o restabelecimento da solidez e rigor das finanças públicas como uma condição prévia para um maior e mais importante crescimento económico e para a criação de emprego».
O relatório, onde Bruxelas dispensa, por ora, o Governo de tomar medidas adicionais de contenção, refere que «embora subsistam incertezas quanto à eficácia das medidas e aos mecanismos de contenção das despesas, os dados preliminares sobre a execução orçamental sugerem que, até à data, os planos têm sido largamente cumpridos este ano».
Por outras palavras, o objectivo do Governo de chegar ao fim do ano com o défice em 4,6% do PIB é credível, ainda que há pouco mais de um mês Bruxelas tenha avançado com uma previsão de 5%.
«Em consequência, a Comissão considera que, neste momento, não é necessária a adopção de outras medidas no âmbito do procedimento relativo ao défice excessivo».
Simultaneamente, acrescenta a Comissão, salienta-se a «existência de incertezas e riscos significativos quanto à realização do objectivo de correcção do défice excessivo até 2008 – sendo a principal condicionante que os resultados orçamentais apenas poderão ser atingidos caso todas as medidas correctivas anunciadas sejam efectivamente implementadas».
Em face dos riscos, a Comissão lembra que, caso as medidas previstas se revelem ineficazes, serão necessárias outras medidas correctivas com vista à realização dos objectivos orçamentais e que, por tal, continuará a «acompanhar atentamente a evolução orçamental em Portugal, tendo designadamente em conta a fragilidade das suas finanças públicas».
Sérgio Figueiredo
O fiador de Sócrates
sf@mediafin.pt
Alguém mais entusiasmado até pediu que lhe erguessem uma estátua. Outros já lhe chamaram o «Greenspan português». Eu próprio, num daqueles momentos de grande desnorte nacional, cheguei a classificá-lo como o «oráculo do regime».
A verdade é que Vítor Constâncio caiu do pedestal. Será o último a reconhecê-lo. Mas é o primeiro a ter consciência disso. Aliás, o discurso da sua tomada de posse ontem, tão autojustificativo, é a confissão que faltava: o governador não anda a dormir bem ultimamente.
A questão não deve ser colocada no plano do ego. E muito menos da consciência. É política. Não é partidária. É técnica, mas não é inocente.
Constâncio decidiu patrocionar mais uma comissão «independente» para corrigir as contas públicas herdadas por um novo Governo. O resultado foi desastroso. Se a intenção era avalizar as tais «medidas difíceis», a consequência foi a que toda a gente viu: a política orçamental do primeiro ano de Sócrates foi um desastre completo.
A coberto de um défice virtual, a Comissão Constâncio deu a cobertura técnica para um desastre político: Sócrates viu ali o fiador de um ano fiscal que agravou o défice estrutural, em vez de o melhorar; que deu um sentido expansionista aos gastos, na vez de os cortar.
Mas, sobretudo, permitiu que o Governo apresentasse o maior desequilíbrio financeiro dos últimos anos, 6 por cento do PIB, quase a cantar vitória. Estava, assim, absolutamente desperdiçado o primeiro ano de consolidação das finanças públicas. Com maioria absoluta no Parlamento e a oposição manietada.
Sócrates não tinha desculpas. Constâncio deu-lhe o pretexto.
Não foi inédito. Cinco anos antes, vimos o então ministro Pina Moura sair do mesmo Salão Nobre com o sorriso de alívio de quem encontrara um argumentário sólido para se defender da onda de alertas, críticas, avisos sobre a insustentabilidade do «milagre económico» que o país então vivia.
Inúmeros economistas, incluindo aquele que entretanto se elegeu Presidente da República, andavam apavorados com o agravamento do défice externo. Com aquilo que o originava. Com o custo implícito à sua correcção.
Numa mesma cerimónia, com o mesmo governador, algo de parecido aconteceu: Vítor Constâncio encarou o assunto, comparou Portugal a uma região, evocou outros países com crónicos desequilíbrios externos, tudo correcto, tudo óbvio, para passar uma mensagem errada. Sobretudo perigosa: o problema haveria de se resolver.
Não foi inocente então, como não foi inocente agora. Este aval «às corajosas medidas» do Governo, que «indiciam uma verdadeira consolidação orçamental».
Podia ser um estímulo, igual a tantos outros que Constâncio não deixou de dar a Manuela Ferreira Leite. Não vivesse Constâncio com o prestígio abalado. Não tivesse Constâncio a independência sob escrutínio. Não precisasse Constâncio de explicar tanto aquilo que disse e fez no passado.
Como carrega este lastro do último ano, que não lhe é favorável, devia o governador evitar públicos actos de fé. Sobretudo num Governo que anuncia, anuncia, anuncia, mas que ainda não mostra resultados. O mais difícil está para vir e isso é um problema - que, novamente, o governador do Banco de Portugal decidiu aderir de forma voluntária.
Quem faz parte do problema dificilmente pode ajudar na solução. Ou será que Constâncio vê na «verdadeira consolidação orçamental» um TGV, uma Ota e todos os outros motivos que levaram Campos e Cunha abandonar o Governo?